sexta-feira, 17 de abril de 2009

Pigmeus Baka e os " Tambores de Água"




Para os Pigmeus Baka, que habitam as florestas tropicais dos Camarões, do Gabão e do Congo, a música é uma metáfora da vida. Está presente em quase todas as ocasiões, dos rituais de cura aos de iniciação, das canções de caça aos jogos coletivos, do nascimento à morte. O dia-a-dia desses tradicionais nômades da África Central é sempre acompanhado por eventos e atitudes musicais.

Originalmente coletores e caçadores, eles vivem desde tempos imemoriais em simbiose com diversos grupos de agricultores Bantus. Por várias razões, passam hoje por um processo contínuo de sedentarização. A audição é um dos sentidos mais apurados dos Baka. Comunicam-se na floresta a longas distâncias. São capazes de ler o mundo através da escuta.



Uma das manifestações simbólicas mais fascinantes dos Baka dos Camarões é o Tambor de Água. É um jogo em que mulheres e meninas literalmente “tocam o rio” com seu próprio corpo. Em grupo, elas entram no rio até a cintura e golpeiam com as mãos a superfície da água. Cada uma delas toca um padrão rítmico diferente formando uma textura rítmica sincopada, complexa.

É uma grande diversão. O som da percussão aquática dessas mulheres e crianças, junto com sua polifonia vocal e suas risadas, repercute floresta adentro. E por trás da aparente superfluidade dessa atividade lúdica, podemos perceber também como o brinquedo e o jogo perpassam os processos comunicativos; estão enfim entre as raízes da cultura humana. Como aponta o semioticista tcheco Ivan Bystrina, a “perda de um nexo reconhecível com as necessidades imediatas da sobrevivência, o seu l’art pour l’art que transvaloram estas atividades em fenômeno cultural, portanto em segunda realidade” (BYSTRINA apud BAITELLO JR., 1997: 56).

A gravação que apresento nesta edição do “Música Discreta” me foi dada de presente por Cynthia Gusmão. O registro foi realizado em 1975, pelo etnomusicólogo francês Simha Aron (Editado em CD AUVIDIS/UNESCO).

Ouça: http://podcast1.com.br/programas.php?codigo_canal=107&numero_programa=48

Recomendo fortemente o site do pesquisador e etnomusicólogo italiano Mauro Campagnoli. É fonte segura para pesquisa. Devo-lhe algumas das informações acima. http://www.maurocampagnoli.com/home.html

Abaixo reproduzo considerações musicais de José Miguel Wisnik sobre os pigmeus do Gabão:

“[...] Os pigmeus tecem irradiantes polifonias vocais, às vezes sem qualquer acompanhamento instrumental, às vezes com instrumentos percussivos.

A música dos balineses [Indonésia] e dos pigmeus [África] são jóias do mundo modal. O mundo rítmico botando o pé no mundo melódico, o mundo melódico botando o pé no mundo rítmico. Percussões tomando a forma de alturas, as vozes tomando o caráter das percussões.

[...] Os pigmeus realizam, em textura polifônica, o princípio da música modal que leva, em última instância, à superação da melodia pelo pulso: aqui não temos temas, nem mais movimentos de melodia; em vez disso, uma harmonia de ritmos que resulta de uma intensa e impressionante saturação melódica. As vozes se sobrepõem segundo o sentido original do contraponto: ponto contra ponto, nota contra nota. [...] A polifonia das alturas e durações, unida à granulação dos timbres rebatidos da voz, leva a uma estranha vertigem de tristezalegria” (WISNIK, 1989: 86-87).

Um comentário:

  1. Gostei de ouvir o programa! O Nicolas já tinha me mandado pelo e-mail e eu tinha pedido para que ele postasse aqui, como um começo daqueles tarefas que passei para a turma... Espero que vocês tenham gostado também!
    Deu para observar que o pessoal usou o estudo do Wisnik para fazer a pesquisa e o programa, trazendo elementos novos, como essa percussão que é feita na água. E assim uma coisa puxa outra e a gente vai aprendendo mais e mais, tanto lendo, ouvindo como vendo essas imagens, sons e textos que as pessoas colocam na internet, como estamos fazendo agora...

    bjs até mais

    Andrea

    ResponderExcluir